15.4.18

Palacete dos Leões, um casarão suntuoso em Curitiba


Os posts marotos com cantinhos de Curitiba voltaram! ⭐ Estava com saudade? Se for o caso, gostaria de adiantar que mais posts estão por vir, então a minha humilde sugestão é seguir as redes sociais do blog para não perder nenhum lance 😉

Bom, o que está aqui é a realização de uma visita tão desejada quanto postergada; atire a primeira pedra quem nunca quis muito ir a um lugar, mas teve de adiar diversas vezes porque ficava na contramão dos seus compromissos normais - estou abaixada, hehe! 🙇 Foi esse o meu caso com o Palacete dos Leões, que resolvi emendando um programinha a mais para a "viagem" valer a pena (um almoço no Kharina's All Day, para ser mais precisa, que também pintará por aqui).


Me senti muito princesa nesse cenário, confesso haha


O Palacete dos Leões foi construído no final do Século XIX para ser a pomposa residência da família de um grande personagem da história paranaense: Agostinho Ermelino de Leão Junior (1866-1907) foi um dos maiores barões da erva-mate e fundador dessa marca de chá mate que você está pensando agora - sim, o Matte Leão.

O palacete foi construído às margens do antigo Boulevard Dois de Julho, uma via que dava acesso à Estrada da Graciosa e onde outros ervateiros e industriais também se instalaram, tornando-se este o endereço de chácaras e residências de alto padrão.

Hoje, parte da Avenida João Gualberto corresponde a esse Boulevard, mas infelizmente outros edifícios contemporâneos do palacete deixaram de existir, como a Casa das Ferraduras - que ficava na esquina da Avenida com a Rua Dr. Padre Antônio - e a Mansão das Rosas - cujo portal ainda existe no edifício Fontana Bianca, em frente ao Colégio Estadual.

 Retratos de Agostinho Ermelino de Leão Júnior e sua esposa, Maria Clara de Abreu Leão

I have a thing for floors #1


O imóvel é um projeto assinado pelo cunhado de Leão Junior, o engenheiro civil Dr. Cândido Ferreira de Abreu (1856-1918) que, entre outros ofícios, foi o primeiro prefeito de Curitiba a ser eleito pelo povo. Não muito longe dali, uma avenida muito importante da cidade é batizada com seu nome, a qual dá acesso a edifícios administrativos estaduais e municipais.

Considerado um exemplar neoclássico, o palacete de estilo eclético reúne características renascentistas, barrocas e clássicas - linhas essas que se repetem em outros edifícios históricos da cidade. A princípio, essa seria a forma de atender os interesses dos barões da época, deslumbrados com a beleza arquitetônica que viam em suas viagens à Europa.


Se tem lustre no nome do blog, tem lustre no post também, haha!


Em 1984, a IBM adquiriu o terreno de quase dez mil metros e, enquanto seu escritório-sede era construído num anexo aos fundos, o antigo casarão foi restaurado e transformado em espaço cultural.

O Palacete dos Leões foi tombado pelo Patrimônio Cultural em 2003 e reaberto ao público em 2005 com a mesma finalidade cultural, após a atual aquisição pelo BRDE - Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Hoje, recebe mostras, exposições, lançamentos de livros e até eventos musicais.

I have a thing for floors #2




O Espaço Cultural BRDE - Palacete dos Leões está aberto ao público de segunda a sexta-feira a partir da tarde e a entrada é gratuita; para entrar, basta se identificar no guichê de vidros fumê à esquerda.

▼▼▼

Espaço Cultural BRDE - Palacete dos Leões
Av. João Gualberto, nº 570 - Alto da Glória
Aberto de segunda a sexta-feira, das 12:30h às 18:30h

▼▼▼

Obrigada por ter me acompanhado nesse rolê! 😊

O que achou desse cantinho de Curitiba?
Gostaria de ver algum lugar por aqui? Deixe sua sugestão nos comentários 💙

4 comentários

  1. Aeeeeee voltou com os posts da cidade!!!
    O bom de você postar lugares que nem os moradores da própria cidade conhecem, é que a gente acaba conhecendo junto. Além da beleza arquitetônica, um pouco mais da história do lugar.
    Esses casarões me lembram muito os das fazendas de café. Quando ainda estava no Brasil, frequentava alguns por causa do trabalho (eu era auxiliar contábil de duas fazendas, e ia na sede) e um outro porque o pai de uma amiga minha era administrador (ficava em Campinas, se não me engano, chegou a ser cenário de "Haru to Natsu").
    Além disso, as fotos ficaram divinas!!!

    PS: Não sabia sobre o Matte Leão, agora já sei.

    Beijao!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoe, Kiyomi-chan! Tudo bom? :)

      Ah, fico feliz que você goste de conhecer esses cantinhos comigo! E é bem isso: como fico mega confabulando sobre quem deve ter frequentado tal lugar, porque ele foi construído assim, o que tinha ali antes... Acho bacana ajudar o pessoal a saber disso a partir da minha própria curiosidade ♥

      Nossa, não sabia que você foi auxiliar contábil e ainda de fazendas! Que bacana! Dava pra ter um cheirinho do café por lá também? :D

      Suas visitas sempre me alegram, Kiyomi-chan! Brigadão! ♥
      Beijos, flor~

      Excluir
    2. Ohayou, Karupin! Primeiramente, pela data que estou escrevendo no momento, feliz aniversário pra lá de atrasado.

      Eu também gosto de conhecer lugares bem diferentes, especialmente interiores de estabelecimentos, porque a gente fica imaginando o trabalho arquitetônico do lugar. Recentemente, fui no castelo de Nagoya, o que impressiona é a forma como originalmente foi construído e também a história e os motivos que levaram a construir na cidade.

      Ah, sim. Fui auxiliar contábil enquanto fazia faculdade, e de brinde ganhava alguns quilos de café torrado e moído. Mas dava um trabalho danado, porque o dono era meio exigente...

      Beijão! ♥

      Excluir
  2. Wow, é tão bonito :o Fez-me lembrar um bocadinho o Palácio da Pena, especialmente os azulejos. E esses tons azuis, maravilhosos♥

    ResponderExcluir

@subindonolustre no Instagram

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.