11.12.16

BLCD: Ai no sabaki wo ukero!


Ai no sabaki wo ukero!
Lançamento: 18.11.2016
Elenco: Okitsu Kazuyuki×Saito Souma
Download: Airavalky (mediante registro)

Resumo


Num mundo em que humanos têm seu DNA atrelado ao de insetos, a sociedade se separa entre as espécies predadoras da Classe Alta e as herbívoras da Classe Baixa. Nagumo Touya (CV: Okitsu Kazuyuki) é um jovem membro da influente família das tarântulas, mas ter acesso a tudo o que deseja ou ser assediado pelo seu status não parece completar sua vida, ainda mais depois que seu amado primo teve a audácia de ignorar seus sentimentos e se casar com um membro da Classe Baixa.

Em mais uma festa para manter o social da família, Touya vaga bêbado pelos fundos da propriedade até ajudar um garoto que estava sendo importunado por outros da Classe Alta. Olhando melhor, o garoto tinha um corpo frágil, uma imagem pálida e mal podia agradecer a Touya pelo feito, pois não conseguia falar. Eles apenas voltariam a se encontrar na faculdade, quando a tarântula ouve falar de um garoto da Classe Baixa que estava apaixonado por ele: esse era Hachisuka Iku (CV: Saito Souma), uma rara mariposa de bicho-da-seda - Bombyx mori, chamado de kaikoga em japonês.

Touya criou uma aversão pelos Classe Baixa depois do episódio com o primo, mas resolve sair com Iku como um mero passatempo. Contrariando as expectativas, o frágil garoto o conquista aos poucos com sua inocência e sua gentileza, sem saber que aquele doce sorriso de Iku escondia uma grande culpa. Depois de Atsurou (CV: Matsuoka Yoshitsugu) preparar uma arapuca para humilhar e ferir Iku, seu meio-irmão, Touya descobre o real motivo de mariposas como o garoto serem raras de se encontrar: elas não vivem além dos trinta anos de idade.

Ciente disso mais do que qualquer um, Iku tem um grande remorso de ser o que é: por todas as suas dificuldades de se comunicar ou de manter sua saúde frágil, a mariposa considera que apenas dá trabalho e preocupação àqueles que o amam. Como nenhum desses cuidados será suficiente para evitar seu destino, ele tem medo de se relacionar com as pessoas por saber que as deixará tristes com a sua morte precoce. Chega-se ao ponto de imaginar o quão melhor teria sido se não tivesse nascido. E assim, por mais que fossem de Classes e mundos diferentes, Touya e Iku compartilhavam algo desde seu primeiro encontro: a falta de perspectiva em viverem suas vidas.


Minha Opinião


Assim que terminei de ouvir este Drama CD, comecei a ensaiar esta resenha enquanto secava algumas lágrimas fujonas. Eu tive de entregar boa parte do jogo e empurrar a sinopse comercial para escanteio, porque ela não conseguiria me ajudar a mostrar o motivo de ter gostado tanto da história.

Ah, não sei bem onde colocar esta curiosidade, mas queria destacar que a autora associou bem fatos da natureza com o desenvolvimento de seus personagens: de fato, comparada ao seu estágio larval, a vida adulta do bicho-da-seda é de se lamentar de tão curta, não passando de meros cinco dias.

Eu já falei aqui no blog sobre o Drama CD de Ai no mitsu ni yoe!, mas os personagens desta história se entrelaçam mais com o plot de Ai no su he ochiro!, o primeiro título da série. O primo pelo qual Touya estava apaixonado é Sumiya e, por esse "amor", submeteu Tsubasa, a borboleta da Classe Baixa com quem estava namorando, a uma sessão de tortura. Acredito que o título deste volume - numa tradução livre, "aceite o julgamento do amor" - se relacione com esse fato, já que Touya se apaixona por outro Classe Baixa, este passa pela mesma experiência violenta nas mãos de Atsurou e ainda pode perdê-lo para a morte num futuro muito próximo.

Acho que a coisa mais linda desta história foi um diálogo entre Iku e Touya, quando seus verdadeiros sentimentos explodem em meio ao desespero de ter de se distanciar da mariposa novamente. Touya afirma que Iku não devia se culpar pelo afeto que as pessoas nutriam por ele, já que não era algo que dele dependia. Além disso, embora dê para entender perfeitamente sua aflição, a verdade é que todos estamos sujeitos a morrer, de uma hora para outra, e isso não impede as pessoas de amar ou serem amadas. Por fim, para quem se considera uma fonte de infelicidades, Touya reconforta: sofrer por alguém também faria parte da felicidade.

Referências


Seme | Nagumo Touya (CV: Okitsu Kazuyuki)
Asahina Masaomi (Brothers Conflict), Nagare Hisui (K: Missing Kings), Nagamasa Midori (Aoharu×Machinegun);

Uke | Hachisuka Iku (CV: Saito Souma)
 Yamaguchi Tadashi (Haikyuu!!), Kaginuki Rem (Dance with Devils), Hisami Touji (Zankyou no Terror).

Confira também


Postar um comentário

O Blog tem Instagram » @subindonolustre

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.