O blog ficou meio paradão em dezembro, muito embora tivesse alguém atrás das cortinas com algumas ideias, porém se desmotivando a postar no meio do caminho.

A minha mente, durante este mês, funcionou mais ou menos assim: o Teco veio com a ideia - "vamos fazer um post sobre como você fez o cartão de Natal deste ano" -, dali a pouco, o Tico reprovou - "não temos fotos boas e o cartão não foi nada mirabolante". Teco veio com mais outra ideia - "vamos fazer uma wishlist de Natal" - e o Tico estalou a língua - "recebeu tanta coisa neste ano, devia ter vergonha de pedir algo agora". É, #ticochatolino. 💢

Ah, mas nesse último caso, o Tico estava coberto de razão, porque senti uma culpa danada quando o Teco surgiu com essa proposta. Estes últimos momentos do ano, ao menos neste, me parecem mais apropriados para o exercício da reflexão. No meu caso, isso inclui pensar sobre:

O que fiz


Não lembro de ter realizado grandes feitos neste ano por ter permanecido reclusa em casa por boa parte do tempo - ah, bom, tive minhas saídas sim, e o Turisprocidade está aí para contar história. Percebi, contudo, que, mesmo não parecendo grande coisa, pequenos gestos nossos podem mudar tudo na vida de outras pessoas.

Aquele "bom dia" que a educação manda dar a quem se cruza pelo caminho pode resultar num esboço de sorriso, apenas por imprimir um tom mais animado naquele último "a". A chegada inesperada de uma carta sua pode iluminar um dia mais borocoxô de um amigo querido. Mostrar-se proativo, disposto e interessado torna o convívio muito mais agradável e dinâmico. No mesmo sentido, não retrucar, bufar ou estalar a língua deixa a vida muito mais leve. Elaborar um cartão e derramar um pouquinho do seu coração na mensagem faz uma tímida lágrima escorrer pela face de um homem feito...

Se falarmos de eventos mais palpáveis, acho que minha maior realização deste ano foi ter concluído um projeto que começou no ano passado: deixar meu cabelo crescer para doar.


Foram um ano e quatro meses dedicados a 20 centímetros e uma folguinha. Nunca deixei meu cabelo crescer tanto e não sei se farei isso de novo tão cedo; se tem algo que aprendi sobre mim mesma com essa experiência é que amo meu cabelo curtinho.

O mais importante é que essa paciência toda valeu muito a pena e essas madeixas todas já foram encaminhadas à instituição Atitude na Cabeça, que faz e doa perucas aos enfermos que têm queda de cabelo durante seu tratamento.

O que pretendo fazer


Acho que o primeiro semestre de 2017 será uma extensão do que está sendo este final de ano, então apenas pretendo me esforçar mais nos estudos para atingir minhas metas, até porque os prazos estão se esvaindo... 😰

Fazendo a faxina geral do meu quarto, me reencontrei com alguns livros que adquiri neste ano e deixei pendurados, sedentos pela chance de serem lidos. Gostaria de direcioná-los mais atenção e carinho no ano que vem. 📖

Por fim, acho que gostaria de me desafiar mais na cozinha no próximo ano, principalmente fazendo pratos práticos e saudáveis para o almoço. Me surpreende como legumes podem ser uma mão na roda nesse sentido! Doces também estão na mira; meu sonho de consumo no momento é poder montar um Christmas Cake japonês - mesmo que o Natal já tenha passado, hehe!

Pelo quê sou grata


E caramba, como sou grata por muitas coisas que ocorreram neste ano! ✨

Sou grata por esta vida não ter se esvaído no fim do ano passado por bobeira da minha parte. Sou grata por meus pais, parentes e amigos queridos estarem com saúde, firmes e fortes, bem como por nada ter faltado a eles neste ano. Sou grata pelo espírito do meu pai ter se mantido forte depois de enfrentar sozinho os últimos dias de vida da sua mãe, minha avó...

Sou grata pelas amizades com pessoas muito queridas terem perseverado em mais este ano (sério, todas vocês são incríveis por aturarem minhas típicas subidinhas de lustre! Te amo na boca de cada uma, huahuahua! 💙). Sou grata por ter continuado com o blog e seus canais nas redes sociais, por terem me dado a oportunidade de conhecer e conversar com pessoas muito bacanas neste ano.

Ah, e sou grata a você que está lendo este post, por me dar um pouquinho do seu precioso tempo - talvez não apenas aqui e agora, mas em posts passados também. 💙

***

Com tudo isso, não quero impor a ninguém o que deveria pensar, fazer ou exercitar neste fim de ano. Este é apenas o registro de um breve momento pelo qual estou passando, o qual, por um acaso, envolve reflexão e introspecção. Se as oportunidades para se divertir, ir à forra, fazer compras, receber presentes e esquecer um pouco dos problemas estiverem dando sopa, acho que as pessoas têm mais de agarrá-las e aproveitarem ao máximo - eu agarraria, só não estou no clima neste momento em particular, hehe! 😄

Acima de tudo, se tem algo que gostaria de passar por aqui, são meus desejos de esperança para que fechemos bem, dentro do possível, o capítulo de 2016 e façamos do próximo o melhor que pudermos.

Feliz e Próspero Ano Novo, amigos!

31.12.16

Devaneios, por Tico e Teco

Último Favoritos do ano! Pode isso, produção?! 😨

Quando comecei os Favoritos do Mês, assim como as Tags e os posts Especiais, não imaginava que teria uma aceitação tão boa - e que seria tão divertido montá-los! É bem verdade que não faltaram momentos em que fiquei um pouco travada ao sentar e parar para pensar no que gostei no mês que passou, porque passei a maior parte do tempo em casa neste ano. Hoje, vejo que não foi ruim, porque virou uma boa forma de dar mais valor às pequenas alegrias e vitórias do dia a dia. :)

... Ah, acho que o textinho aí ficou com um clima de despedida, né? Nada disso; vai ter mais Favoritos no ano que vem, sim, senhor! E se não gostar, vai ter no próximo também, hehe! 👊 Mas, antes de conquistar o mundo, vamos descer um pouco do lustre e conferir logo os Favoritos de novembro:


1. Awesome City Club


Embora eu tenha conhecido o Awesome City Club no início do ano, como outros interesses musicais surgiram, acabei deixando a banda um pouco de lado. Em novembro, porém, me deu a louca de querer ouvir de novo as músicas deles e resolvi baixar várias faixas de uma só vez.

Formada em 2013, esta banda divulgava suas músicas novas pelo YouTube e pelo SoundCloud, até ser lançada por uma gravadora e ter seu primeiro álbum anunciado no início de 2015; isso tudo para dizer que ela é bem novinha e, ao contrário do que possa parecer, não tive tanto trabalho assim para pegar a discografia inteira, hehe!


Hm, não sei bem descrever o estilo deles, mas acredito que seja indie pop, com umas leves nuances de jazz. A maioria de suas músicas é bem leve e tem aquele ritmo gostosinho de marcar com o pé, sabe?


A favorita do momento é Don't Think, Feel mesmo, mas eu fiquei bem indecisa sobre qual clipe destacar por aqui, então fica a recomendação forte para conferir Outsider e Namida no Shanghai Night também! E como o meu vício pela banda não se resume ao que eles já lançaram em clipes, joguei aqui um preview do álbum "Awesome City Club Tracks 3" por motivos de: todas as faixas são amor. 💙

2. TEN COUNT figures


TEN COUNT é um mangá yaoi tão intrigante, quanto controverso assinado por Takarai Rihito, uma das minhas autoras favoritas. O quinto volume saiu agora em novembro e sua edição limitada contou com figures exclusivos muito fofos!

As pré-vendas foram abertas no meio do ano e pedi ajuda a uma amiga querida para conseguir comprar essa edição. Quando fui conversar sobre pagamento, porém, ela resolveu fazer deste o meu presente de aniversário e eu fiquei com aquela cara de OMG, essa pessoa não existe! 😱

Ela ainda aproveitou a viagem ao Japão a trabalho para buscá-los e comprou mais coisas fofas (de UtaPri), enviando tudo para mim em novembro. Vontade de esmagar de amor e guardar num potinho é o que não falta, viu?! Miga sua loka, te adoro! 💙💛


A duplinha enrolada em casacos é da Niitengo - adoro esta marca, por fazer os personagens em muitas poses criativas - e os pequeninos cabeçudos são da Color Colle. Ah, e por que eles estão enrolados em casacos, né? É a referência a uma cena do mangá e tem a ver com a misofobia do personagem Shirotani, o secretário de cabelinho rosa. Não, eles não saem de casa assim, hehe! Mas não vou entregar a história assim, então se quiser ler o mangá online, comece clicando aqui.

3. Itsumo no Jikan, itsumo no basho de, de Hashimoto Aoi


Natsumi é dono de um food truck que fica estacionado num parque todos os dias para a hora do almoço. Sua maior alegria é ver os rostos satisfeitos de seus clientes enquanto degustam sua comida, mas um deles tem chamado sua atenção nos últimos tempos: Sasai, o rapaz bonito que desconstrói a cara fechada quando come suas panquecas, o pedido que sempre costuma fazer.

Todos os dias, Sasai fica ansioso pelo momento em que pode comer no food truck, não apenas pelos pratos, mas por ter se tornado um ambiente no qual não é julgado pela sua aparência ou sua preferência por doces, tudo graças a Natsumi. Este, por sua vez, faz as coisas de bom grado, mas não demora muito para perceber que está apaixonado pelo designer.

Bem, os capítulos do mangá ainda estão sendo publicados, mas dá para fazer a leitura por aqui. A esta altura do campeonato, apenas dá para concluir que o Sasai é bem tapado por não perceber as atitudes meio desesperadas de Natsumi - afinal, quem faria questão de fazer o seu jantar todos os dias depois de um longo dia de trabalho, senão alguém que goste muito de você, meodeos? Só estou na torcida para que este título seja tão fofo quanto "Kikoeru?", outro título da autora de mesmo clima.

4. Jogo do Dinheiro


Não, não é outro jogo de tabuleiro, hehe! Trata-se de um filme dirigido por Jodie Foster e estrelado por George Clooney e Julia Roberts, que envolve crítica social e metalinguagem.

Na trama, Clooney é um popular apresentador de um programa de TV sobre especulações de investimentos, dirigido pela personagem de Roberts, e usa de artifícios muitas vezes ridículos, mas eficientes para garantir uma grande audiência. Numa das transmissões ao vivo, um desconhecido - interpretado por Jack O'Connell - invade o estúdio, ameaça todos com um revólver e força o apresentador a usar um colete com explosivos. O motivo era o desespero por ter acreditado e investido numa das especulações "garantidas" pelo programa e perdido todo o seu dinheiro com isso.

A partir daí, começam movimentações em diferentes planos, mas sem aquela comoção exacerbada e focada, como em outras histórias fictícias de sequestro, caindo mais na real: a diretora procura ajudar a solucionar e apaziguar o problema, porém não abre mão da oportunidade de aumentar a audiência do seu programa; a empresa na qual o sequestrador investiu tudo, embora afirme que as perdas se deram por um problema no algaritmo, esquiva-se de mais esclarecimentos; a polícia é acionada e prepara a operação de resgate, porém sem heroísmos; o público acompanha a história ao vivo com atenção, mas com grande apatia...


Acho que "Jogo do Dinheiro" (Money Monster, no original) critica questões como capitalismo, espetáculo da mídia, descompromisso com a verdade e o descaso em geral, que me parece permear todos esses planos que citei.

A narrativa também consegue se esquivar de rumos previsíveis em histórias de suspense ou sequestro que têm gabarito por aí - eu ri demais quando o apresentador pediu pela participação do público nas ações da Bolsa. Considero, contudo, que a última parte deixou um pouco a desejar, mas talvez isso faça parte da metalinguagem adotada: a sensação de "segue a vida" que temos com o desfecho para ser a mesma do público ali retratado, que acompanhou toda a história pela TV.

12.12.16

Favoritos do Mês: Novembro, 2016


Ai no sabaki wo ukero!
Lançamento: 18.11.2016
Elenco: Okitsu Kazuyuki×Saito Souma
Download: Airavalky (mediante registro)

Resumo


Num mundo em que humanos têm seu DNA atrelado ao de insetos, a sociedade se separa entre as espécies predadoras da Classe Alta e as herbívoras da Classe Baixa. Nagumo Touya (CV: Okitsu Kazuyuki) é um jovem membro da influente família das tarântulas, mas ter acesso a tudo o que deseja ou ser assediado pelo seu status não parece completar sua vida, ainda mais depois que seu amado primo teve a audácia de ignorar seus sentimentos e se casar com um membro da Classe Baixa.

Em mais uma festa para manter o social da família, Touya vaga bêbado pelos fundos da propriedade até ajudar um garoto que estava sendo importunado por outros da Classe Alta. Olhando melhor, o garoto tinha um corpo frágil, uma imagem pálida e mal podia agradecer a Touya pelo feito, pois não conseguia falar. Eles apenas voltariam a se encontrar na faculdade, quando a tarântula ouve falar de um garoto da Classe Baixa que estava apaixonado por ele: esse era Hachisuka Iku (CV: Saito Souma), uma rara mariposa de bicho-da-seda - Bombyx mori, chamado de kaikoga em japonês.

Touya criou uma aversão pelos Classe Baixa depois do episódio com o primo, mas resolve sair com Iku como um mero passatempo. Contrariando as expectativas, o frágil garoto o conquista aos poucos com sua inocência e sua gentileza, sem saber que aquele doce sorriso de Iku escondia uma grande culpa. Depois de Atsurou (CV: Matsuoka Yoshitsugu) preparar uma arapuca para humilhar e ferir Iku, seu meio-irmão, Touya descobre o real motivo de mariposas como o garoto serem raras de se encontrar: elas não vivem além dos trinta anos de idade.

Ciente disso mais do que qualquer um, Iku tem um grande remorso de ser o que é: por todas as suas dificuldades de se comunicar ou de manter sua saúde frágil, a mariposa considera que apenas dá trabalho e preocupação àqueles que o amam. Como nenhum desses cuidados será suficiente para evitar seu destino, ele tem medo de se relacionar com as pessoas por saber que as deixará tristes com a sua morte precoce. Chega-se ao ponto de imaginar o quão melhor teria sido se não tivesse nascido. E assim, por mais que fossem de Classes e mundos diferentes, Touya e Iku compartilhavam algo desde seu primeiro encontro: a falta de perspectiva em viverem suas vidas.


Minha Opinião


Assim que terminei de ouvir este Drama CD, comecei a ensaiar esta resenha enquanto secava algumas lágrimas fujonas. Eu tive de entregar boa parte do jogo e empurrar a sinopse comercial para escanteio, porque ela não conseguiria me ajudar a mostrar o motivo de ter gostado tanto da história.

Ah, não sei bem onde colocar esta curiosidade, mas queria destacar que a autora associou bem fatos da natureza com o desenvolvimento de seus personagens: de fato, comparada ao seu estágio larval, a vida adulta do bicho-da-seda é de se lamentar de tão curta, não passando de meros cinco dias.

Eu já falei aqui no blog sobre o Drama CD de Ai no mitsu ni yoe!, mas os personagens desta história se entrelaçam mais com o plot de Ai no su he ochiro!, o primeiro título da série. O primo pelo qual Touya estava apaixonado é Sumiya e, por esse "amor", submeteu Tsubasa, a borboleta da Classe Baixa com quem estava namorando, a uma sessão de tortura. Acredito que o título deste volume - numa tradução livre, "aceite o julgamento do amor" - se relacione com esse fato, já que Touya se apaixona por outro Classe Baixa, este passa pela mesma experiência violenta nas mãos de Atsurou e ainda pode perdê-lo para a morte num futuro muito próximo.

Acho que a coisa mais linda desta história foi um diálogo entre Iku e Touya, quando seus verdadeiros sentimentos explodem em meio ao desespero de ter de se distanciar da mariposa novamente. Touya afirma que Iku não devia se culpar pelo afeto que as pessoas nutriam por ele, já que não era algo que dele dependia. Além disso, embora dê para entender perfeitamente sua aflição, a verdade é que todos estamos sujeitos a morrer, de uma hora para outra, e isso não impede as pessoas de amar ou serem amadas. Por fim, para quem se considera uma fonte de infelicidades, Touya reconforta: sofrer por alguém também faria parte da felicidade.

Referências


Seme | Nagumo Touya (CV: Okitsu Kazuyuki)
Asahina Masaomi (Brothers Conflict), Nagare Hisui (K: Missing Kings), Nagamasa Midori (Aoharu×Machinegun);

Uke | Hachisuka Iku (CV: Saito Souma)
 Yamaguchi Tadashi (Haikyuu!!), Kaginuki Rem (Dance with Devils), Hisami Touji (Zankyou no Terror).

Confira também


11.12.16

BLCD: Ai no sabaki wo ukero!

Abram alas que chegou o último Checklist de BL Drama CDs do ano, yey!

Mas nem por ser final de ano (ou justamente por o ser) os labels tiveram dó ou piedade das carteiras das fujoshi: o que é essa montanha de lançamentos para dezembro, meu filho? Só mesmo o décimo terceiro e os pacotinhos de ramen para garantir a sobrevivência do mês!


Destaque do Mês


E chegamos ao fim da segunda leva de Danshi Koukousei, Hajimete no, marcada pelo lançamento do seu after disc! Para quem não sabe, essa série tem a proposta de acompanharmos a primeira vez de três casais colegiais. Se fosse só isso, talvez não seria tão atraente, mas o diferencial mesmo é que não há cortes, fade-outs ou BGMs na hora H - agora ficou bom, né? ;)

"After Disc" vem fechar com chave de ouro, apresentando três situações novas para os casais da temporada, nos mostrando como ficaram depois de sua primeira vez juntos. Como o primeiro casal desta leva foi apresentado no Destaque do BLCD Checklist de maio, peço licença para pular e contar um pouquinho sobre os outros dois casais, beleza?

Kyoudai dakara, nani mo nai ("E daí que somos irmãos?")


Harui (CV: Masuda Toshiki) e Keito (CV: Shirai Yuusuke) são irmãos muito apegados um ao outro, mas eles não são ligados pelo sangue, já que foram unidos pelo novo casamento entre seus pais, há dez anos.

Harui é um cara boa pinta e playboy de primeira, já tendo saído com várias garotas da escola. Ele costuma sorrir fácil, mas trata-se de um recurso para esconder seus sentimentos, mesmo perante seu querido irmão mais novo, Keito. Este já é mais reservado, mas criou um grande apreço pela nova família, principalmente pelo irmão mais velho, a partir da experiência vivida com o divórcio de seus pais.

Um dia, Keito flagra Harui na companhia de uma garota atrás do ginásio da escola. Na verdade, essa não é bem uma novidade na vida dos dois, mas a conversa com Keito faz Harui não conseguir mais se conter e acaba assumindo o risco de talvez destruir sua relação com o irmão...

ATENÇÃO | DISCLAIMER (R-18)

Contém cenas e sons explícitos! | It contains explicit scenes and sounds!
Veja em local reservado e com fones de ouvido | Watch it alone with earphones 😌


Amayakashite yo, sensei ("Me mime, professor")


Membro do grêmio estudantil, Ayahito (CV: Yashiro Taku) é um aluno exemplar de postura gentil, porém a coisa muda de figura quando se trata de Ota-sensei (CV: Shingaki Tarusuke), por quem é estranhamente fascinado. Por sua vez, o professor de artes parece não dar a mínima para o rapaz em particular; emanando uma aura sensual quase o tempo todo, Ota-sensei parece se contentar com qualquer parceiro, contanto que este possa satisfazer seu apetite sexual e suas inclinações por sadismo e masoquismo.

Às vésperas do festival cultural, Ayahito procura Ota-sensei na sala de artes para que assine alguns documentos para o grêmio estudantil. Mas ir à escola num domingo apenas por isso? Era apenas um pretexto para encontrar o professor sozinho em sua sala. Bom, que melhor programação o professor Ota poderia arranjar naquela tarde, senão aceitar o convite indiscreto de seu aluno exemplar?

ATENÇÃO | DISCLAIMER (R-18)

Contém cenas e sons explícitos! | It contains explicit scenes and sounds!
Veja em local reservado e com fones de ouvido | Watch it alone with earphones 😌


Referências


Seme | Shido Masafumi (CV: Furukawa Makoto)
Saitama (One Punch Man), Kindaichi Yutarou (Haikyuu!), Suwa Hiroto (Orange);
Uke | Sugimoto Aru (CV: Murase Ayumu)
Hinata Shouyou (Haikyuu!!), Allen Walker (D. Gray-Man Hallow), Sasaki Ikuyoshi (Super Lovers).

Seme | Saotome Keito (CV: Shirai Yuusuke)
Naruko Io (Binan Koukou Chikyuu Bouei-bu Love!), Percival (Divine Gate);
Uke | Saotome Harui (CV: Masuda Toshiki)
Ryuu Zaou (Binan Koukou Chikyuu Bouei-bu Love!), Hazama Masayoshi (Samurai Flamenco).

Seme | Rokko Ayahito (CV: Yashiro Taku)
Hayato (Shounen Maid), Utsumi Toyohi (Kono danshi, mahou ga oshigoto desu);

Uke | Ota Jin (CV: Shingaki Tarusuke)
Kite Eishiro (Prince of Tennis), Heshikiri Hasebe (Touken Ranbu: Hanamaru).

Confira também



1.12.16

BLCD Checklist: Dezembro, 2016

O Blog tem Instagram » @subindonolustre

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.