29.5.15

BLCD: TEN COUNT Vol. 2


TEN COUNT Vol. 2
Lançamento: 29.05.2014
Elenco: Maeno Tomoaki×Tachibana Shinnosuke

Resumo


O segundo volume começa com Mikami, colega de trabalho de Shirotani (CV: Tachibana Shinnosuke), encontrando Kurose (CV: Maeno Tomoaki) para lhe pedir ajuda, já que o secretário não aparece há dias no trabalho, nem tem mantido contato. Isso ocorreu depois que o terapeuta recomendou que Shirotani continuasse cumprindo as metas que havia listado para superar a misofobia com outras pessoas. Recluso em casa, Shirotani está deprimido, imaginando que, para ter feito tal proposta, Kurose estava mesmo é cansado dele; nesse sentido, é doloroso para o secretário cogitar a possibilidade de não poder mais encontrá-lo.

Eventualmente, eles se reencontram e Kurose revela estar apaixonado por Shirotani, prometendo que se dedicaria ao seu tratamento e também para conquistá-lo. Alguns dias depois, Shirotani vai à clínica de Kurose e é lá que ocorre a sua primeira investida "agressiva", quando temos a emblemática cena das mãos feridas do secretário sendo traçadas pela língua quente do terapeuta.

Embora transtornado e aborrecido com o episódio, Shirotani aceita o convite de Kurose para jantarem juntos e fazerem as pazes, porém o terapeuta não parece estar arrependido do que fez: Kurose não se aguenta e arrasta Shirotani até seu apartamento quando este declara estar confuso com seus sentimentos - por mais que saiba que poderia voltar à sua vida antiga se evitasse encontrá-lo, ele não suporta a ideia de não poder estar junto de Kurose.

Minha Opinião


Pega o café e senta aí porque lá vem textão, colega! ☕

Takarai Rihito é uma das mangaká de yaoi que mais admiro e gosto, seja pela arte ou pelo enredo bem costuradinho, mas eu preciso admitir... TEN COUNT está saindo da caixinha que é uma beleza, hein?

Acompanhar os capítulos conforme saem no Japão tem sido, não um turbilhão, mas sim uma "montanha-russa" de emoções: no início, você vive toda a ansiedade torturante daquela subida, mas, chegando ao pico, a descida é de uma velocidade alucinante.

Vou adiantar que, depois dessa noite no apartamento de Kurose, os eventos se sucedem engatando a segunda marcha - quero dizer, uns poucos capítulos atrás, estávamos criando raiva de uma bendita garrafa d'água que Shirotani sequer conseguia compartilhar, quiçá beijar alguém a essa altura do campeonato, né? Eis que, dali a pouco, Kurose usa sex toys com o secretário. Oi? Calma, filho! 😨

***

O que nos leva à parte mais polêmica sobre a obra (fora questões éticas médicas de um profissional não se relacionar com seu paciente): Shirotani foi estuprado?

A princípio, sim, eu acho que o início disso tudo foi com estupro, embora estivesse mega relutante em admitir isso, porque não fazia o feitio da Takarai-sensei até então. Embora seja normal para mim deixar de lado títulos com estupro, eu continuei a leitura porque acabei gostando mais dos personagens do que do enredo. Assim, acompanhar o Drama CD reparando na interpretação dos dubladores, relendo os capítulos e juntando o que ocorreu nos capítulos seguintes, me fez pensar numa teoria parcial que gostaria de compartilhar aqui.

Embora o Kurose ainda não saiba exatamente o que deu origem à misofobia do Shirotani, acredito que ele tenha percebido uma confusão na interpretação do secretário sobre certas coisas que, em geral, são agradáveis e prazerosas: em vez de aceitar de bom grado, ele reage com uma grave repulsa. Há uma passagem em que Shirotani afirma não sentir aversão nem nojo pelo que Kurose fez com ele, mas sim pelo que ele mesmo sente nessas horas.

Ainda, eu digo que Kurose está ciente disso por uma passagem na qual faz um fellatio com Shirotani e pergunta se ele estava com receio de se sujar ou de sujar o terapeuta. O verbo sujar em japonês é yogoreru e ele também pode ser usado com o significado de "macular", "tornar impuro" - isso pode indicar que, apesar de não ter consciência disso, Shirotani tem medo de contaminar Kurose (ou qualquer outra pessoa) com a sua lascívia, ou seja, ele se considera sujo, impuro. Nos capítulos seguintes, é revelado o provável motivo dessa interpretação distorcida: a censura por se sentir excitado, quando criança, ao testemunhar seu pai e uma estudante tendo relações.

Acredito que, embora suas intenções não sejam puramente "terapêuticas" e aqui estejam sendo quebrados todos os protocolos médicos, morais e éticos possíveis, Kurose está submetendo Shirotani a um "tratamento de choque" - e, sendo contra a sua vontade, obviamente trata-se de estupro. Sem "mas".

Eu não gosto de como o enredo foi desenvolvido até esse ponto, porque desvalorizou totalmente um detalhe que pude captar na interpretação dos dubladores no Drama CD, difícil de se perceber com a leitura pura do mangá: na primeira noite dos dois, Shirotani fala várias vezes kimochi warui (tipo "que nojo") durante a Hora H, mas a sua voz está embargada de prazer, como se estivesse falando, na verdade, kimochi ii (algo como "que bom"). Sei que parece um discurso subversivo - em que "não quer dizer sim" -, mas antes que joguem pedras em mim, é bom lembrar que toda a gravação dos Drama CDs foi orientada pela própria Takarai-sensei, ou seja, todo o jeitinho de falar dos dubladores passou pelo crivo da autora!

É uma pena. Se isso tivesse sido melhor desenvolvido - sem esse recurso maldito do estupro, de preferência -, teria sido um detalhe e um momento plenamente maravilhoso. É lamentável que este trabalho tenha sido tão maculado pela influência do editor...

***

Pronto! Já lavei minha alma e agora já podemos falar sobre o Drama CD em si: gente, que dublagem maravilhosa! Maeno-san continua perfeito, né? Eu sei que estou longe de ser pouco bias, mas realmente não sei como ele consegue transitar tão bem da costumeira apatia do Kurose para o fogo doido desse homem por baixo daquele poker face, tudo com umas leves alterações de voz. Aiai, dá até uns calorões ouvindo os moans dessa criatura! 💘

Sobre o Shin-chan, eu estava um pouco apreensiva sobre como ele interpretaria um Shirotani excitado, já que boa parte dos ukes que ele fez e que eu conheço são meio escandalosos... Felizmente, ele conseguiu imprimir bem o "gap" entre o semblante relutante de sempre do secretário e o seu eu todo derretido de prazer nas mãos do Kurose... Enfim, sério, fez muito calor enquanto ouvia, huahuahua! 😏

Referências


Seme | Kurose Riku (CV: Maeno Tomoaki)
Yukina Kou (Sekai-ichi Hatsukoi), Camus (Uta no Prince-sama), Natsume (Brothers Conflict);

Uke | Shirotani Tadaomi (CV: Tachibana Shinnosuke)
Tomoe (Kamisama Hajimemashita), Yoshino Chiaki (Sekai-ichi Hatsukoi), Naoki (Tight-rope OVA).

Confira também


Postar um comentário

O Blog tem Instagram » @subindonolustre

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.