Dezembro chegou e serei obrigada a jogar aquela exclamação redundante: mas já?! - Pois é. Não sei se você sentiu o mesmo, mas o primeiro semestre foi bem vagaroso para mim; do segundo para frente, contudo, parece que o tempo engatou a marcha e passou voando. 💨

Bom, balancete de final de ano fica para outro post; trazemos hoje o último BLCD Checklist de 2017 e uma infeliz notícia: não pretendo continuar com as listas no ano que vem. 😞 Sempre foi muito bacana receber um comentário novo ou conhecer pessoas interessadas em yaoi que chegaram ao blog por conta desses posts, mas chega um momento em que as coisas nos desgastam e a gente precisa abrir mão delas para seguir em frente.

Ah, mas isso não quer dizer que não vai ter Boys Love mais nesse bloguito, hein? Agora, eu pretendo investir pesado nas resenhas de BLCDs - e acredite, tem bastante títulos que quero resenhar a respeito. Aguarde e confie, ô da poltrona! 😉 Sem mais delongas, vamos ao último e derradeiro Checklist de dezembro!


Destaque do Mês


Arimura Ikuo (CV: Okitsu Kazuyuki) é um típico salaryman que, preocupado com o desempenho de sua irmã mais nova para passar nos exames e entrar na faculdade, resolve ir atrás de um tutor para reforçar seus estudos. Contando com os contatos antigos do colegial, acabou sendo apresentado para o estudante universitário Itou Yousuke (CV: Furukawa Makoto), aparentemente seu junior no clube de beisebol, embora não se lembre desse fato.

Apesar do tratamento frio que recebeu de Itou no primeiro encontro, Arimura logo percebe que o rapaz não apenas o admirava muito, como também nutria sentimentos por ele. Aos poucos, o salaryman começou a se sentir atraído por cada reação fofa que seu junior tinha, até o momento em que lhe pede em namoro.

Com mais dúvidas do que certezas nesse novo relacionamento e agendas ocupadas para poderem se encontrar, Arimura é tomado por muita ansiedade. Sentindo essa anormal insegurança, Itou decide terminar com Arimura, afirmando que seu veterano apenas propôs o namoro influenciado pelos seus sentimentos, porque não o amava de verdade. Arimura queria negar isso na hora e corresponder ao coração já ferido de Itou, mas, em vez disso, acaba por se perguntar se era mesmo esse seu "amor" que seu junior realmente queria...


Referências


Seme | Arimura Ikuo (CV: Okitsu Kazuyuki)
Saku Hagita (Orange), Hisui Nagare (K: Return of Kings), Masaomi (Brothers Conflict);

Uke | Itou Yousuke (CV: Furukawa Makoto)
Suwa Hiroto (Orange), Saitama (One Punch Man), Tada Banri (Golden Time).

Confira também


5.12.17

BLCD Checklist: Dezembro, 2017

Antes de tudo, não atrasei, haha! 😂 Este post já estava concluído, bonitinho, embaladinho, pronto para ser despachado na noite do dia 1º; resolvi postergar a publicação em respeito ao feriado de Finados.

Assim como o mês anterior, novembro está recheadinho de lançamentos, o que me fez recorrer àquele "pulo do gato" de colocar os títulos em pé uma vez mais. Sorry pelos torcicolos de novo!

Ainda sobre a confecção das imagens, para decidir que cor vou usar no próximo mês, eu geralmente verifico todas as que já fiz e anoto aquelas cores que não aparecem por aqui há uns bons meses. Foi apenas depois de terminar o texto do Destaque do Mês que percebi: o Checklist de outubro ficou todo trabalhado no rosa, enquanto o de novembro, como podem ver, está em cinquenta tons de azul. Eu sei que é difícil de acreditar - "ah, para, Karupin" -, mas não foi de propósito, haha! 😅


Destaque do Mês


O Destaque de novembro vai para a adaptação de "Jackass! ~Sawatte ii tte dare ka ga iita yo?~" (esse subtítulo pode ser traduzido como quem disse que poderia tocar?), um dos mangás mais leves de Scarlet Beriko, uma das minhas autoras de yaoi favoritas.

Eu disse leve pelo tema, mas a Scarlet-sensei costuma fazer histórias bem elaboradas cujos atos pegam o leitor de surpresa. Parece ser da sua preferência não nos deixar numa posição de onipresença, mas sim de meros espectadores, já que sua narrativa não nos deixa a par dos pensamentos dos personagens. Associando-se a traços firmes e lindos, é com esse temperinho sazon que trabalhos como "Jackass!" encantam e fascinam! 💙

Embora sejam cabeças do Grêmio Estudantil e protagonistas de uma parceria ímpar, os amigos Shinoda Masayuki (CV: Uchida Yuuma) e Hara Keisuke (CV: Nakajima Yoshiki) têm personalidades totalmente diferentes: enquanto Shinoda é um casanova e playboy vindo de uma família bem abastada, Hara é um cara gentil que procura sempre trabalhar para aliviar a barra de sua irmã mais velha, a qual sustenta a casa sozinha desde que ele era pequeno.

Em mais um dia trocando de roupa para a aula de educação física, Hara percebe que tinha vestido a meia-calça de sua irmã junto com a calça de abrigo, mas não consegue arranjar um bom jeito de tirar aquilo sem causar estranheza. Percebendo a situação, Shinoda leva Hara à enfermaria, mas quem poderia imaginar que aquele incidente abalaria a relação entre os dois dali para frente? Tudo porque Shinoda encontrou o shangri-la de seu fetish nas pernas perfeitamente torneadas do seu melhor amigo...


Referências


Uke | Hara Keisuke (CV: Nakajima Yoshiki)
Yamagata Masakage (Sengoku Night Blood), Yamashita Jiro (THE iIDOLM@STER: SideM);

Seme | Shinoda Masayuki (CV: Uchida Yuuma)
Minamoto Seiichiro (Sanrio Danshi), Ootori Eiji (Uta no Prince-sama), Sakuraba Kaoru (THE iIDOLM@STER: SideM).

Confira também


3.11.17

BLCD Checklist: Novembro, 2017


O hype do Sarahah se desfez tão rápido quanto surgiu, porém não sem antes causar um pouquinho de polêmica com questões sobre anonimato. Eu não liguei muito na hora do pico, até porque já tivemos outros recursos semelhantes no passado. Contudo, acabei fazendo minha conta mais tarde enquanto pensava em algum jeito de aproveitá-lo em favor do blog; e assim, chegamos ao post de hoje! ✨

Pedi aos amigos e a quem acompanha o blog para enviarem perguntas, críticas e até puxadas pra vida que estivessem aí guardadas no coração de cada um e me comprometi a responder tudo - tudinho mesmo; se viesse coisa cabulosa, não teria papas na língua (ou nos dedos, hehe)! Bem, proposta feita, proposta cumprida! 'Bora conferir?

▼▼▼

1. Conte a coisa mais embaraçosa que já aconteceu contigo.


Por mais que tenha sido a primeira mensagem que recebi, este foi um dos últimos itens que respondi, porque... São tantas coisas nessa vida severina, haha! 😂 Sério, eu pensei por vários dias sobre isso. Passar vergonha não chega mais a ser um perrengue, porque a minha cara ferve até as orelhas toda vez que tenho de fazer algo em público, seja falar, cantar ou apresentar. Então, pensei em algo que provocou a mesma coisa, mas que não ocorre todo dia.

Uma vez, no ensino médio, eu estava jogando bets com alguns colegas durante a educação física e estávamos dividindo a quadra com um grupo de universitários que jogavam basquete. Num certo momento, fui atrás da bolinha do nosso jogo enquanto ela rolava para o lado em que eles estavam. Concentrada no que estava fazendo, não percebi um dos rapazes vindo de costas para a minha direção. Com um pé que flertava com o número 50, ele pisou com tudo no meu pé esquerdo. 😣 Torci. Chorava de dor.

Estávamos um nível abaixo de onde ficava a enfermaria - e sabe-se lá onde estava a tal enfermeira, mas só descobriríamos isso depois da jornada. Bom, com aquele pé, não conseguiria subir escada, quiçá uma pista inclinada. Quando já estava me conformando em ficar ali mesmo sentada, sinto alguém me erguer e carregar nos braços: era o rapaz que tinha pisado no meu pé, se sentindo mega culpado e pedindo desculpa o tempo todo. 😳


Eu não vi nada: tapei a cara com as mãos, morrendo de vergonha da situação, dos assovios, dos meus colegas zoando, do meu peso, dos meus óculos embaçados, da minha cara toda molhada, fervente e vermelha... 😵 O vexame, para mim, era tanto que, por um momento, aquela dor chegou a ficar até insignificante!

Com muita dificuldade, ele conseguiu subir a ladeira com este saco de batata que vos fala e eu pude esperar minha mãe com dignidade para me levar à clínica de fraturas - que eu não recomendo, porque ela fez um gesso caseiro melhor do que a faixazinha frouxa que enrolaram porcamente no meu pé. Bom, enfim, meninas, e foi assim que tive a minha primeira experiência nos braços de um homem, haha! 😂

2. Inteligencia em pessoa! Além de linda e maravilhosa tem o coração mais incrível que tive a sorte de encontrar nessa vida! Apenas amo de paixão!

... Acho que sei quem enviou essa, mas não vou arriscar, haha! Ai gente, me considero abençoada demais por ter amigas queridas assim, que me encontraram, acharam algo de bom e gostam de mim desse jeitinho, todo cheio de amor. 💙

3. Qual foi a coisa mais legal que você já fez na vida?


Queria ter mais consciência disso, mas o que minha mãe conta é que eu fui a razão pela qual meu avô parou de fumar. Não, não é legal falar para alguém que não gosta de ficar perto dele porque seu hálito cheira mal, mas foi o que a minha versão de sete anos fez e acabou o ajudando por tabela.

Infelizmente, já não tinha muito o que fazer pela sua saúde com tantos anos desse hábito na conta e ele acabou falecendo pouco tempo depois, mas gosto de pensar que vencer o vício apenas com a força de vontade possa ter sido uma experiência importante para ele.

Ai, desculpa, eu sei que era para ser um tópico mais divertido, mas acho que não tem coisa mais legal no mundo do que fazer uma diferença boa na vida de alguém, sabe 💙

4. Já namorou alguém?


Não. Antigamente, eu achava que era estranha por nunca ter tido essa experiência na vida, mas desencanei com o tempo. Poucas foram as vezes que me cutucaram sobre isso também, então tenho a leeeeve impressão de que as pessoas me consideram um caso perdido, porque 1) acham que eu não ligo para isso mesmo; 2) não acreditam que alguém queira ficar comigo, haha! 😆


5. Qual a sua maior mania?


Falar palavrão. Até para as coisas boas (vide "bom pra c*ralho"). Eu sei que é péssimo e estou tentando me controlar, mas tem vezes que escapa e não dá mais para corrigir... 😓

6. Você já gostou de alguém romanticamente?
Quem são seus crushes da vida real?


Eu já senti um heart skips a beat por alguém na vida, mas foi apenas numa única ocasião, anos atrás. No mais, teve algum menino aqui ou ali que achei bonitinho, seja no ensino médio ou num grupo de fãs de anime que cheguei a participar. E só.

Na minha cabeça, crush de verdade a gente corre atrás, stalkeia, sente ciúmes de longe, sofre, chora e todo aquele pacote Office completo; nunca senti isso por alguém. Só stalkeio artista japa, mas naquela torcida para ele ser mega feliz... Acho que não serve, né? Haha! 😂

7. Qual o seu tipo?


Putz, nem sei se curto homem ou mulher, quanto mais saber tipo, haha! Bem, se eu pudesse escolher, gostaria que a pessoa tivesse uma voz agradável e usasse uma fragrância gostosa, duas coisas que me fariam ficar perto dela por muito tempo.


No mais, acho que gostaria de alguém que fosse um bom ouvinte; que não sentisse necessidade de sempre estar certo; gostasse de dar cafunés sem eu precisar pedir e de receber massagens a qualquer hora (eu gosto de fazer massagem nas pessoas aleatoriamente, btw). É muita exigência, será? 🤔

8. Você tem algum cronograma de postagem no blog?


A programação para os posts dos BLCD Checklists deve ser o mais próximo de um cronograma que tenho aqui no blog: na última semana do mês anterior, procuro elaborar a imagem do post e a resenha do Destaque para poder postar ainda nos primeiros dias do mês seguinte. Outra seção regular é dos Favoritos, mas sou mais flexível com a postagem, preferindo o fazer entre os dias 10 e 20 do mês.

Meu ideal é que haja, ao menos, quatro posts no mês, então, depois desses posts regulares, me reservo ao direito de inventar, haha! A menos que seu blog seja uma fonte de renda, acho que não vale a pena noiar com posts. Se estiver inseguro com o que escreveu, deixa lá fermentando nos rascunhos; se estiver ansioso para falar a respeito de alguma coisa, aproveita o gás e solta os cachorros mesmo. É assim que tenho lidado com o blog ultimamente, hehe!

9. Qual o seu livro favorito? E música? E lugar na cidade?



Opa! Vamo lá: no momento, meu livro favorito é Uma Vida no Escuro, de Anne Lyndsey (e essa resenha que nunca sai, né?); a música que faço questão de ouvir pelo menos uma vez de todo santo dia nas últimas semanas é Don't You Worry 'Bout A Thing, de Tori Kelly; e estou gostando muito de frequentar a lanchonete Drive in Burger. 🍔

10. Você já fez esse teste » 16personalitiesQual é a sua personalidade?


Sim sim! Fiz duas vezes, inclusive!
Segundo esse teste, minha personalidade é do tipo Defensor (ISFJ).

A pessoa com a personalidade de Defensor é única, uma vez que muitas de suas qualidades desafiam seus próprios traços individuais. Apesar da empatia, os Defensores podem ser ferozes quando precisam proteger sua família ou amigos; embora quietos e reservados, eles geralmente têm habilidades de pessoas bem desenvolvidas e relações sociais robustas; e embora procuram segurança e estabilidade, essas personalidades podem estar notavelmente abertas à mudança desde que se sintam compreendidas e respeitadas. Como com tantas coisas, as pessoas com o tipo de personalidade de Defensor são mais do que a soma de suas partes, e é desta maneira que eles usam essas forças que definem quem eles são.
Adoro materiais como horóscopo, mapa astral, quiromancia, numerologia, tarot, testes (sérios) de personalidade... A meu ver, tudo que ajude a desvendar esse espírito animal que temos em cada um de nós é super válido! 💙

11. Como você começou a gostar de yaoi?
Tem alguma história disso, ou só gostava mesmo e pronto?


Tudo começou numa noite fria e chuvosa de 14 de agosto de 1985... Mentira, nem tava viva, gente, haha! Ah, eu fui apresentada ao yaoi por uma amiga, no auge dos meus gloriosos treze anos - tempos sem malícia aqueles (saudades, haha).

Fui pousar na casa dela e, no dia seguinte, ela colocou para rodar vários animes que nunca tinha visto. Como sabia que ela gostava de temas como garotas mágicas e fofinhas, nem desconfiava de que, no meio daquele balaio, ela me apresentaria um anime chamado Gravitation e que a cena em que se sugere que os protagonistas tiveram "a noite" mudaria a minha vida. 😏


12. Você gostaria de profissionalizar o blog e viver dele?


Nos meus sonhos mais selvagens, sim. Contudo, sendo bem realista, acho que não tenho a veia para isso. Quero dizer, eu gosto de escrever para o meu blog, mas sinto que não tenho muito a partilhar com o mundo porque o meu microuniverso é muito pequeno, muito limitado. Sendo assim, já estaria falida desde o princípio, hehe!

13. Se joga e se solta meninaaaaa~~~~!!!

Mas se soltar não faz parte da minha natureza~~~~, haha! Tá, eu preciso absorver um pouco dessa fórmula na minha vida, admito. Não é fácil, mas antes de "me jogar", tenho de "me soltar" de coisas ainda não muito bem resolvidas na minha cabeça. Obrigada pelo incentivo 💙

14. Já pensou em fazer um bullet journal?


Já sim! Ao mesmo tempo, também me senti desmotivada vendo tantos bullet journals lindões, cheios de doodles, canetas que não passam para o outro lado do papel, letterings, washi tapes mil cores... Talvez não faça muito sentido para quem já aplica os BJ na vida, mas pensava que aquilo pertencia a uma "realidade paralela" - não era pra mim.


Depois de ler sobre os BJ em vários blogs e posts, senti um alívio ao perceber que não precisava nada disso para, enfim, ter um e me organizar. Tanto o é que estou motivada a adotar um no ano que vem! ✨ A única coisa que estou me enrolando um pouco para adquirir são folhas pontilhadas para o meu Tilifax, mas estou animada para começar com essas peripécias, hihi!

15. Confesso: te acompanho mais pelo instagram que pelo blog (devido as correrias do dia a dia). Mas adoro tuas fotinhos 😄 Os favoritos do mês (única coisa que consigo ler mesmo pelo blog) são muito interessantes. E as dicas de lugares de Curitiba me deixam super curiosa pra ir ai visitar (e um dia, te visitar também). 😘

Own, brigadão! 💙 Sabe, ter ideia de que o que posto é interessante para alguém, uma pessoa só que seja, já faz tudo valer a pena. Amo tanto o Instagram quanto o bloguinho, então acho que tá tudo certo em acompanhar mais um do que o outro - convenhamos que o Instagram é mais prático, né? (mas não fui eu que disse, tá? Haha!) E se vier a Curitiba, me avisa, porque farei questão de organizar o rolê!

16. Precisamos gravar outro podcast e rápido!

Só gravei um podcast com uma pessoa, então tenho certeza de quem seja a remetente, haha! Também acho que está na hora disso rolar; resta saber o tópico sobre o qual divagaremos... Hm, Saintia Sho?

17. Qual o seu animal favorito?


Ah, me derreto toda por catioros da raça Golden Retiever! 😍


"Precisa ser dessa raça?" - Hm, é que o Golden tem um charme muito especial para mim, com aquela pelagem longa dourada, o rabo abanando, o focinho amistoso... Adotei até um mantra ilógico de que, se eu ver um Golden na rua, dali pra frente será um ótimo dia, nada pode dar errado, haha!

18. Yay!!!!!!!
Apesar de criticas serem construtivas, me sinto muito feliz em não ter nada a dizer nem sobre você nem sobre seu trabalho.
Cada post que tu faz parece ser carregado de boa energia e a variedade de temas é fantástica. Preciso dizer que tu é realmente boa em fotografia? Cara, que olho!!!!!!
E espero mesmo que o lustre esteja sempre lá pra ti subir e levar-nos também o/

Que coisa mais linda de se ler, gente! Brigadão 💙 Fico feliz que a variedade de temas por aqui não assusta (tanto assim, haha). A princípio, ao observar outros blogs que acompanho, eu tive receio de colocar várias coisas juntas aqui, seja elencando as categorias ou fazendo os Favoritos do Mês... Mas quer saber? O que somos, se não a reunião de interesses diversos, né? No final, o que torna essa misturinha orgânica é o fato de quem está falando sobre tudo isso ainda ser a mesma pessoa.

19. Como vc consegue ser tão linda?


... Não sei nada sobre isso não, haha! Agradeço, mas, na verdade, eu nunca me achei bonita. Maquiagem, penteados, roupas, acessórios, me ver mais magra... Uso, faço, combino, mas nada naquele espelho parece me dizer que estou bonita - o reflexo só fala: ok, é o mínimo pra sair na rua. Neste ano, tenho feito esforços para entender o meu estilo e conseguir externar isso, me vestir de mim mesma. Porém, pelo visto, tenho de bater em outra porta do cérebro para começar a ajeitar coisas como autoimagem.

20. Eu acho muito bonito como vc sempre arranja tempo para fazer cartões, comprar presentinhos, e sempre demonstrar carinho pelas pessoas

Ah, que bacana! 💙 Para quem não sabe, costumo mandar para amigos e familiares cartões de Natal feitos por mim e, dependendo do tempo, gosto de enviar cartinhas também. A inspiração veio dos cartões postais de Ano Novo japoneses e a confecção se tornou um evento especial para mim, pois é aquele momento no ano em que posso "sair da casinha", me dedicando a algum projeto criativo, produzindo com as minhas próprias mãos e, quem sabe, fazendo o dia de uma pessoa querida um pouco melhor.


O mesmo vale para os presentes; um trejeito "herdado" da minha mãe, mas que vale muito a pena só por aquele instante do presentear: pegar a pessoa de surpresa, causar um brilhinho de curiosidade nos olhos para saber o que tem dentro daquele pacote bonito e eventualmente acertar na escolha. A única ansiedade que dá gosto de nutrir é a dessa hora mesmo, haha!

▼▼▼

Muito obrigada a todos que enviaram mensagens e a quem me acompanhou até aqui 💙

"Poxa, agora deu vontade de perguntar (mais)..."

Opa, não desanime! Mande nos comentários e vamos criar juntos uma 2ª rodada!

31.10.17

Respondendo ao Sarahah!

Depois que terminei de fazer a ilustra para o post, percebi o arzinho meio borocoxô que ele tomou e me assustei um pouco: significa que alguns ranços aqui guardados estão começando a transparecer nas coisas que estou fazendo.

Sabe, antigamente eu me considerava boa em maquiá-los, camuflá-los, deixá-los quietinhos num cantinho. Hoje, não se trata do cachorro velho ter desaprendido os truques, e sim que o copo começou a transbordar. A fim de podar essas trepadeiras traiçoeiras que têm se enroscado pelos meus  pensamentos e sentimentos, já estou indo atrás de ajuda profissional.

Desculpe o excesso de metáforas até aqui, mas foi o único jeito que encontrei para deixar o papo mais leve sem desviar da verdade. Espero poder fazer um novo Favoritos com notícias melhores em breve. Bom, nem por isso este post deixou de ser criado e maturado com muito carinho! 💙 Por favor, confira meus Favoritos de agosto e setembro:



1. Blue Bird Fotografia


Já faz umas semaninhas, mas fotos da pessoinha que vos escreve estão fazendo parte das páginas (é só clicar nos links do menu superior) e da capa da fanpage no Face! 📸 Essa foi, na verdade, a realização de uma das grandes metas que tinha traçado para 2017 e não poderia ter conseguido sem a ajuda dos fotógrafos Thais e Reynolds, o casal que toca a Blue Bird Fotografia.

Desde o momento em que tomei coragem para contatá-los, tinha a ideia fixa de fazer fotos conceituais, sem olhar direto para a câmera e que tivessem um ar urbano, talvez até mostrando um pouco da identidade de Curitiba. Pois bem, acho que o dia em que fizemos a sessão não poderia ter sido mais tipicamente curitibano: friozinho e nublado. Me encontrei com o casal nas escadarias da UFPR e as laterais do Prédio Histórico emolduraram boa parte das fotos.


Ah, mas o ensaio não era apenas sobre o blog; havia um bichinho curioso aqui dentro de mim querendo saber como eu poderia ser vista ou captada por uma lente profissional. Bom, uma coisa ficou muito clara para mim durante a sessão e se confirmou quando vi o resultado final: eu sou toda dura, haha! 😂 De fato, não tenho muita consciência corporal e fiquei bem ansiosa-nervosa-perdida na oportunidade. No mais, perceber os olhares dos transeuntes tentando entender porque a guria toda dura lá estava sendo fotografada na rua não ajudava a me acalmar, haha... 😳

Saldo da história? Estou feliz por agora ter um acervo de fotos bonitas minhas e pelo encontro com alguns dos talentos locais que mais fico stalkeando nas redes sociais, hehe! Agradeço muito à Thais e ao Reynolds pela paciência, de verdade. Recomendo uma passadinha no Instagram da Blue Bird para babar nas fotos, falar com esse casal bacana e marcar o seu próximo ensaio fotográfico! 💙

2. Boku no Hero Academia


Ahá! Finalmente, consegui assistir a Boku no Hero Academia e... Estou viciada, haha! ✌️ Na verdade, essa história tem todos os ingredientes de um típico shonen, até aquela certeza de que nosso protagonista será bem-sucedido no futuro, então não haveria nada de novo sob o sol, mas... Sabe quando um filme, uma música, uma série te pega de jeito porque está falando com o seu momento? Foi assim mesmo que Boku no Hero me fisgou. 🙋


Ter superpoderes é o novo "normal": num mundo em que cerca de 80% da população nasce com "Individualidades" dos mais diferentes tipos, os 20% restantes são completamente impotentes. Desde cedo, Midoriya Izuku soube que era uma dessas raridades e foi discriminado por isso. Um destino muito injusto para quem não queria mais nada, senão se tornar um Herói profissional.

Contudo, a chama de esperança continuava acessa no jovem, que admirava e estudava outros heróis sempre que possível. Eis que, um dia, sua persistência parece gerar frutos: Izuku não apenas encontra o maior Herói de todos, seu ídolo All Might, como este também o escolhe como seu sucessor, transmitindo-lhe sua única e poderosa Individualidade!

Após meses de duro treino, Izuku entra para a U.A. High School, uma escola colegial famosa por seu excelente programa de treinamento para Heróis. Com calouros promissores neste ano e a eminente ameaça de uma organização de Vilões, Izuku logo aprenderá o que realmente significa ser um Herói.

Essa minijornada de menino Izuku diante das adversidades, que compreende os primeiros episódios, foi responsável pela fisgada fatal. Super me marcou a parte na qual ele percebe que receber aquela poderosa Individualidade lhe concedeu apenas a chance de estar na linha de largada; agora, Izuku tinha de se esforçar muito mais do que os demais, que já sabiam usar seus poderes há tempos, para atingir seus objetivos. 🏃

Com o decorrer da história, dá para perceber uma narrativa sensível a lados inesperados, mas muito humanos dos personagens, revelando os medos dos Heróis e a racionalidade dos Vilões. Mais do que as lutas alucinantes, acredito que os diálogos são outro atrativo a se prestigiar, principalmente a forma com que o autor aborda a importância da simbologia dentro desses dois grandes pólos sociais da sua história. 👀

3. Massagem facial de Tanaka Yukuko


Pensando em cuidar um pouquinho melhor do meu rosto, lembrei de um vídeo japonês que havia assistido no ano passado com instruções para uma massagem facial "anti-idade" e resolvi ir atrás dele novamente para aplicar à minha rotina matinal. 💆 O princípio da técnica é direcionar a circulação, de forma que mais toxinas sejam levadas aos vasos linfáticos, sendo que boa parte deles estão localizados nas extremidades laterais do pescoço.


Essa massagem foi criada por uma maquiadora muito famosa chamada Tanaka Yukuko, que infelizmente faleceu há alguns anos por câncer na laringe. Não dá para dizer, contudo, que foi uma fatalidade: Tanaka-san chegou a ficar no topo de uma pesquisa de opinião sobre qual celebridade o público gostaria que parasse de fumar - e olha que raridade mesmo é ver adulto no Japão que não fume...

Vamos, então, ao momento "testei e aprovei": desde que comecei a realizar essa massagem, senti a minha pele um pouco mais aveludada e saudável. Acho gostosa a sensação de "músculo trabalhando" que fica no rosto depois de estimulá-lo, já que é necessário imprimir um pouco de pressão e calor com toda a extensão dos dedos para a massagem dar certo. Ainda há a expectativa para que sinta as minhas feições mudando, mas, como comecei há uns dois meses, imagino que seja cedo para isso acontecer... 😅

Obs.: Ah, esse vídeo tem mais duas partes; acesse pelo YouTube que você encontra todas as instruções rapidinho 😉

4. Okja (2017)


Nova York, 2007. CEO de uma poderosa empresa, Lucy Mirando (Tilda Swinton) apresenta ao mundo uma nova espécie animal, descoberta no Chile. Apelidada de "super porco", 26 exemplares dessa espécie são enviados a fazendas de países distintos, de forma que cada uma possa apresentá-lo à sua própria cultura local. A ideia é que os animais permaneçam espalhados ao redor do planeta por dez anos; após esse período, todos participarão de um concurso no qual se escolherá o melhor super porco.

Uma década depois, a jovem Mija (Seo-Hyun Ahn) convive desde a infância com Okja, o super porco fêmea criado pelo avô no interior da Coreia do Sul. Prestes a perdê-la devido ao tal concurso, Mija decide lutar para ficar com Okja, custe o que custar.


A essa altura, eu já tentei escrever esta linha umas três vezes, mas é difícil comentar sobre "Okja" sem me considerar hipócrita. Quero dizer, se tenho uma pequena noção de como é a indústria da carne e de como o marketing das coisas funciona, então teoricamente a trama não estaria trazendo nenhuma novidade e eu não teria o direito de ficar sentida ou chocada em momento algum do filme - ainda mais pelo fato de não ter deixado de consumir carne por conta disso.

Então, o que trouxe essas emoções? Acho que foram o esforço da primeira parte do filme para que conheçamos a relação de Okja e Mija - parecida com a que temos com um bichinho de estimação, atribuindo até sentimentos e reações humanas à super porca - e a mea culpa por Okja ser uma criatura fictícia.

Inclusive, talvez essa seja a pior característica, porque cria uma lacuna que podemos preencher com qualquer animal e com qualquer propósito, afinal crueldade com animais não é de longe exclusividade da indústria alimentícia. A cereja do bolo para se sentir mal foi o final mesmo, com todos os tapas na cara possíveis: a menos que seus propósitos sejam marketeiros, ideais não têm valor num sistema capitalista e suas engrenagens não deixarão de se mover por conta deles. Ouch.

Embora eu tenha terminado o filme me sentindo desconfortável, tive de ficar ruminando por vários dias sobre o que tinha assistido para chegar a algumas dessas conclusões, como visto, mais desconfortáveis ainda. Atribuo isso à habilidade excepcional do diretor sul-coreano Joon-Ho Bong - que também me fez pensar por dias sobre "Expresso do Amanhã" -, o qual toca nas feridas sociais de uma forma sutil, mas muito pertinente, te forçando a revisitar a história na cabeça por muito tempo.

▼▼▼

O post começou meio tristinho e terminou assim também, né? Haha!
Não foi a intenção fechar assim, mas aconteceu...

E aí, você já fez um ensaio fotográfico? Quem sabe, viu alguma dessas dicas?
Conta aí, vamo se amar! 💙

11.10.17

Favoritos do Mês: Agosto/Setembro, 2017

O Blog tem Instagram » @subindonolustre

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.