Foto: divulgação (Rakuten.jp)

Segundo o Calendário Lunar, hoje, dia 16 de fevereiro, é dia de nos despedimos do Ano do Galo para recebermos o Ano do Cão! 🐶

Quando o Ano do Galo chegou, fiz um post com as previsões em geral para 2017; talvez seja bacana dar uma olhada nele antes, só para ver se alguma coisa teve a ver com o seu ano... Ah, e não deixe de me contar! Adoraria saber se as previsões fizeram algum sentido para você! 💖 Agora, vamos repetir a dose com um resumex esperto das previsões para este Ano do Cão de Terra!

Considerando que a astrologia chinesa se orienta pelos Cinco Elementos do Taoísmo - Terra, Metal, Água, Fogo e Madeira - e pelo Ciclo dos 60 Anos, o ano de 2018 é regido pela Terra, conectado à cor marrom, e pela energia Yang (a parte branquinha do círculo Tao, que implica em luz, atividade, objetividade).

Como é de praxe, o animal que rege o ano influencia os demais signos, aflorando e também cobrando dos demais regidos a manifestação dos valores que lhe são mais importantes. Não é difícil imaginar o que o melhor amigo do homem preza, né? Lealdade e fidelidade devem estar aí no topo da sua lista, mas o Cão também aprecia honestidade, tolerância, empatia e solidariedade - e isso vale para todas as áreas da vida, vai vendo! 🐾

Foto: divulgação (Rakuten.jp)

Grandes Mudanças e Conservadorismo


O perfil realista e sábio do Cão oportunizará tomadas de decisões mais sensatas e favoráveis para todos os signos, amparando a realização de mudanças importantes no seu estilo de vida. É, portanto, um bom momento para abandonar vícios ou finalmente tirar aquele projeto - tantas vezes adiado - da gaveta. Em contrapartida, sendo uma de suas maiores qualidades a persistência, o Cão exigirá que os projetos, uma vez iniciados, prossigam até o final. Sendo assim, sua influência compensará com louvor os esforços daqueles que forem diligentes e organizados, mas é preciso se preparar para as pressões e o estresse durante o ano.

Socialização não é bem a praia do Cão, então é possível que isso influencie também os programas de todos os signos, evitando sair de casa ou até tendo dificuldade para confiar em pessoas novas. Com mais momentos de reclusão e solidão, pode bater a tristeza - para essas pessoas, o desafio será justamente reunir força de vontade para não se entregar; ainda, aprender mais sobre si mesmo, bem como a curtir a própria companhia pode refletir em grande evolução nos campos da criatividade e da sensibilidade.

O signo do Cão em si tem a Terra como elemento primário; somando-se ao fato da força regente deste ciclo também ser a Terra, isso significa que 2018 será um período com forte tendência conservadora, tornando-se prioridade para muitos a estabilidade da família, a garantia de segurança e a preservação e/ou o resgate de caráter, princípios, valores éticos e morais. Ao mesmo tempo, a energia Yang que também rege este ciclo predispõe as pessoas a uma proatividade que se refletirá na busca por justiça. Em outras palavras, manifestações sociais, culturais e de minorias contra condições desfavoráveis a que estejam submetidos podem ganhar força neste ano.

Foto: divulgação (Rakuten.jp)

Comunicação, Empatia e Credibilidade


A reunião de tendências um tanto contraditórias entre si pode tornar este período instável, com altos e baixos nos relacionamentos profissionais e amorosos. Para superar esses desafios e alcançar o equilíbrio, a comunicação será essencial. Mais do que falar, o importante é deixar de ser teimoso e ouvir os demais. Estas serão grandes oportunidades para o exercício da empatia e da tolerância, valores tão apreciados pelo Cão. Contando-se ainda com a sabedoria do signo regente, podem surgir diálogos plausíveis e boas conclusões, tanto no campo particular, quanto até no mundial.

Segundo a Teoria dos Cinco Elementos, se a Terra é a força primária deste ciclo, Fogo e Metal são as secundárias, sendo eles os elementos gerador e gerado - por essa lógica, o Fogo gera a Terra que, por sua vez, gera o Metal. Neste ciclo, essa combinação se aplica claramente ao campo dos negócios: aqueles que investirem (🔥) em credibilidade, confiança e honestidade (🌱) dentro da sua política para com clientes e funcionários terão retorno e sucesso (💰). O perfil do Cão pode ainda influenciar os demais nativos dos demais signos no campo financeiro: conhecido por desprezar o desperdício, isso pode evitar a contração de dívidas e despesas desnecessárias ao longo do ano.

Por fim, o ano de 2018 demandará de todos os signos um cuidado especial com a saúde. É nesse sentido que também se manifesta aquele clima favorável para fazer grandes mudanças, livrando-se de maus hábitos e adotando novas medidas em prol de uma melhor qualidade de vida.

Foto: divulgação (Rakuten.jp)

Previsões para o Cavalo


Não é minha intenção tratar das previsões de cada um dos doze signos chineses, mas é claro que procurei saber sobre as surpresas que o Cão de Terra reservou para o Cavalo, meu signo, então é ao que vou me limitar a expor por aqui, certinho? 🐎

Numa visão geral, pertencendo ao grupo compatível onde o Cão também está, os nativos de Cavalo terão boa sorte em 2018, principalmente nas áreas financeira e profissional. Esforços despendidos nos anos interiores finalmente poderão dar frutos e/ou ser reconhecidos, desde que o Cavalo mantenha o trabalho duro, a perseverança e a humildade. O bom momento nas finanças e na carreira pode ser aproveitado ainda para a realização de cursos e a soma de novos conhecimentos.

Durante este ano, a preocupação do Cavalo pode estar centrada na família, uma vez que a tendência ao isolamento regida pelo Cão aproximará esse contato com os familiares. Inclusive, este pode ser um período em que parentes ou pessoas próximas precisem de sua ajuda. Contudo, manter o equilíbrio também é importante, por isso, procure evitar a negligência em suas responsabilidades básicas.

Como foi colocado antes, a saúde é um campo que exigirá atenção especial de todos os signos. Mesmo agraciado com a boa sorte neste ano, os nativos de Cavalo podem estar suscetíveis a machucados durante a prática de esportes. Ainda, é interessante o cuidado com a região do ventre baixo, isto é, podem surgir problemas gastrointestinais e ginecológicos.

▼▼▼

E é isso, pessoal! Obrigada por ter acompanhado mais este post até aqui! 😍

Depois de todo esse dossiê, desejo que o Ano do Cão agracie todos com as melhores energias. ✨ Vista-se de vermelho, prepare-se para grandes mudanças e...

Xīn Nián Kuàilè!
(Feliz Ano Novo!)


Fontes:

16.2.18

2018: Ano do Cão de Terra


Meus gostos musicais são meio voláteis, então não demora muito e se a preguiça não tomar conta já tenho de reciclar toda a minha playlist. Apesar dessa condição em potencial, mal posso acreditar que finalmente consegui montar um novo post, contendo uma seleção inédita de músicas! ✨✨

Diferente do primeiro post dessa série, a seleta de hoje está mais para uma salada bem sortida e agridoce: boa parte é cítrica, mas tem umas pitadas de sal e uns toques de doçura. Bom, mas o importante é estar gostosa, certo? Então, está tipo... Euzinha ultimamente mesmo, haha! 😂 *riso nervoso* Ok, antes que me enforque mais nessa corda, vamos logo para a Playlist de uma vez! 💨

Onde anda você, de Newton Brito



Uma coisa boa de acompanhar reality shows de música, como o The Voice, é que dá para resgatar ou simplesmente descobrir músicas populares de outros tempos. Por esses dias, uma mocinha arrebatou todos os jurados nas audições às cegas ao cantar essa música lindamente. Eu fiquei apaixonada pela canção na hora e passei um tempo vagando pelo Spotify à procura da versão mais perfeita (para mim, né? Hehe).

Ai gente, essa melodia dá uma paz no coração... E o que dizer dessa letra? É simples, mas cheia de um romantismo inocente e gostoso - que, felizmente, essa onda folk pop está tentando resgatar. Bom, das diversas versões que pude conferir, a que mais gostei foi esta aí conduzida por uma voz de mel cujo dono se chama Newton Brito. E que voz, senhores, que voz... 💙

FANTASY, de SUPERFRUIT



Preciso comentar algo sobre essa música, esse clipe? Tudo é amarelo, animador e perfeito - só tacar o play e começar a dançar, haha! 💛 Hm... Mas talvez você esteja pensando agora: ué, acho que já vi esses rostinhos em algum lugar... Deixa eu ajudar!

Esses dois rapazes com vozes lindas são o Mitch (do bigodinho à Freddie Mercury) e o Scott (do topete loiraço). Juntos, eles formam a dupla SUPERFRUIT, donos de um dos canais com que mais me divirto no YouTube gringo; já na companhia de Kirstie, KO e Avi, eles são o poderosíssimo grupo a capella Pentatonix!

E essa tomboy asiática linda? É a Amber Liu, a única artista Kpop que realmente faço questão de saber um pouco mais a respeito, haha! Ela é do grupo f(x), mas faz pouco tempo que se lançou na carreira solo, sendo que boa parte de suas músicas são cantadas em inglês. Ah, e ela é outra que tem um canal no YouTube, com o qual também me divirto muito! De longe, o melhor vídeo até agora é o "Where is my chest?", em que ela começa uma quest pela vizinhança atrás de seus peitos, enquanto responde com muita ironia aos comentários de haters, haha! 😂

Anata, de Utada Hikaru



Já declarei na outra Playlist: saiu novidade da Rainha, tem de abrir alas porque é pé na porta, prioridade, nepotismo meeeesmo! 👑 E, para falar bem a verdade, nem precisava desse favoritismo todo da minha parte para perceber o quão linda é essa música, né?

Este mundo pelo qual caminho com você é tão estonteantemente lindo / Mesmo no meio de selvas desertas, aquele que apertou minha mão de volta foi você / Não preciso de nada além de você;a maioria dos problemas não significa nada para mim / Não vou te pedir muito, mas Deus, por favor, conceda-me um amanhã que nunca vai mudar

Estou felizona pela nostalgia que essa melodia me traz, resgatando as raízes R&B que influenciaram as principais produções da Hikki e a ajudaram a consolidar sua carreira. Ah, e ainda tem aquelas palmas - meu ponto fraco e cativo para qualquer música, haha! 👏

I'm a Believer, de SPYAIR



Esta música é tema de abertura do meu amado anime de vôlei "Haikyuu!!" e, embora seja de 2015, ela voltou com tudo para a playlist por ter servido como um banho de ânimo nas últimas manhãs: quando coloco para tocar, não tem mais tempo ruim e lá estou eu, batendo cabelo e cantando esse hino a plenos pulmões, haha! 🙌

E não é para menos, porque essa letra fala sobre encarar as dificuldades, superar críticas - so what? - e seguir em frente fiel às suas convicções e aos seus objetivos. Isso se aplica a tantas áreas da minha vida no momento...  Então, imagina se não faço questão de gritar so what? e I'm a believeeeer?! Não tem jeito, é hino mesmo!

Black & White, de Todrick Hall



Sim, SUPERFRUIT volta ao páreo, haha! Ah, não tenho culpa se eles são bons (tipo, muuuuito bons), gente... Desta vez, eles participam de uma produção de outro muso do cenário YouTuber, Sir Todrick Hall!

Todrick é um cara tudo-em-um: cantor, produtor, ator, dançarino, coreógrafo e... *pausa dramática* Drag queen! Sim, e das boas: seu talento foi reconhecido pela própria rainha da coisa toda, RuPaul em pessoa, que fez uma participação em seu videoclipe para a música "Low" - confira também, porque é impossível ficar indiferente ao ritmo!

Contudo, esta música maravilhosa aqui vai para o lado da crítica a um sistema que nos coloca no pianinho: tudo dentro da mesma embalagem, da mesma caixinha, de um mesmo status quo. Eu já comentei um tiquinho sobre isso num desabafo recente, inclusive, então acho que essa música só vem ao encontro do discurso. Vamos ser mais do que as expectativas que nos fazem engolir a seco: mais gentis, mais respeitosos, mais amorosos, mais sonhadores, mais críticos, mais lutadores, mais autênticos, mais do nosso melhor! 💙

Dancing With My Fingers, de MIYAVI e Miura Daichi



Essa é uma adição de última hora - ou melhor, das últimas 48 horas - porque mal descobri e já estou viciadérrima nesta música! O clipe é simples, mas você deixa a indiferença nos primeiros acordes de guitarra. Afora isso, o que a mágica das palmas não faz comigo, né? 👏

Miura Daichi já é meu protegido há algum tempo e esse é um cara que não para de surpreender, seja cantando, dançando ou fazendo as duas coisas ao mesmo tempo, perfeitamente e ao vivo. Contudo, nunca cheguei a acompanhar a produção artística do MIYAVI - sei lá, o cara toca muito, mas guitarra não é bem meu negócio... Agora, devo admitir: de todas as mudanças de estilo de cabelo, esta aqui deixou o cara muito sexy. Ah, falei mesmo, gente, o que posso fazer? Haha!

▼▼▼

Obrigada pela companhia em mais este post :)

Qual é a sua música favorita nos últimos tempos?
Por favor, me indica nos comentários! 

2.2.18

Playlist #002: sobre amores, ânimos e críticas


Desde que eu cortei meu cabelo bem curtinho, tenho observado uma inquietude nos locais em que passo. Não é todo mundo, mas posso afirmar que, em toda saída de casa, ao menos uma pessoa me segue com o olhar. Mesmo que a pessoa lá não esboce um sorriso, a gente meio que sabe instintivamente como é um olhar amistoso ou de admiração, né não? Bem, aqueles direcionados a mim nos últimos tempos estão longe de ser assim.

Sempre tive uma estatura robusta e um leve sobrepeso, o que, até o final do Ensino Médio, me fazia contrastar muito das demais garotas da minha idade. Sim, comporto mais uma daquelas típicas histórias de adolescente deslocada, contribuindo para uma autoestima muito baixa e um desprezo total pela minha aparência. 😩

Havia alguns colegas que chegaram a me apelidar de fashion e eu não ligava na época, mas hoje vejo que era uma ironia com a minha real falta de senso com o que vestia. De fato, eu não me importava: óculos desajeitados, camisetas masculinas - houve até uma fase poser metaleira, haha -, camisas sem silhueta, jaquetas enormes, calças jeans retas, tênis... Contanto que pudesse me esconder ali dentro, tava valendo. Era uma moldura adequada para aquele quadro formado por um bagaço de cabelo, uma pele cheia de espinhas estouradas e uma barriga saliente. Ora, who cares? Não se investe no que não tem potencial de melhorar - era esse o raciocínio por trás disso tudo.

O quadro começou a mudar na faculdade: ansiedade é normal quando se entra num ambiente desconhecido, mas aqueles primeiros momentos me lembravam da mesma inquietude para abrir um caderno novo, pronto para receber uma nova história. Depois de mais de dez anos imersa num microuniverso onde seu valor residia no quão bom você era (ou aparentava ser) na educação física, agora estaria num ambiente em que a aptidão intelectual era a bola da vez - e o quanto você poderia ser útil aos outros, mas desse tipo de abuso eu já estava imune em função de outros carnavais.

Ué, mas o que isso teria a ver? Bem, eu sempre fui uma zero à esquerda na educação física desde que me conheço por gente, então, num ambiente em que se é julgado por esse fator, como a escola, é difícil criar uma base sólida para a autoconfiança. Uma vez fora dessa "condição opressora", enfim,  eu poderia florescer da forma como bem entendesse. 🌸 Não foi um processo muito fácil, porque, a princípio, não havia nada que tivesse almejado para a minha imagem até aquele momento e, me projetando dali alguns anos, só conseguia visualizar algo nebuloso, incerto.

Acho até que todas as amizades que mantenho hoje podem ficar surpresas com isso, mas os cinco anos de faculdade foram os primeiros anos da minha vida em que realmente comecei a me importar com roupas, cuidados com o corpo, maquiagem, unha etc. E por que surgiu esse interesse? Por dois motivos: estava tentando encontrar meu estilo, meu jeito; e, finalmente, comecei a ver um pouco de beleza em mim.

Ainda na faculdade, tive o primeiro estalo de que poderia cortar o cabelo curto - até então, mantinha o comprimento pouco abaixo dos ombros, mas deixá-lo solto já me incomodava há muito tempo. Você pode já ter ouvido ou lido algo parecido, mas, se me perguntarem, eu recomendo que as pessoas cortem o cabelo curto ao menos uma vez na vida (mas com um profissional, pelamordadeusa). Sério, é libertador! 💇 Além de sentir a cabeça dois quilos mais leve e um ventinho permanente impagável na nuca, você pode encontrar uma alternativa inédita de si mesmo diante do espelho: ah, eu posso ficar assim também e ainda assim sou eu.

No meu aniversário do ano passado, resolvi deixar ainda mais curto do que era e aderi ao "pixie cut" (googlada esperta nele! 😉). Na real mesmo, eu queria raspar tudo na máquina zero, mas sei que o formato da minha cabeça não é muito bonito para tanto, então provavelmente me arrependeria. Toda orgulhosa com a mudança corajosa, voltei para casa serelepe, apenas para me deparar com o olhar incrédulo dos meus pais. Para digerirem a nova informação, levaram cerca de uma semana.

Eu não entendi e ainda não entendo porque foi tão difícil para eles aceitarem isso. Aliás, retiro o que disse, porque não devem ter aceitado totalmente. Por esses dias, estávamos assistindo a uma novela juntos e os dois apontaram para uma atriz com cabelo curto, mas mais cheinho e comportado: você podia deixar seu cabelo assim, fica melhor. Foram uníssonos. Com um uhum desinteressado, cavei a cova e sepultei o assunto no chão daquela sala na hora.

Foto por: Blue Bird Mundo

No entanto, os "zumbis" da reprovação parecem estar à espreita da porta de casa para fora. São os zumbis do status quo, vigilantes que zelam pela uniformidade de formas, cores e comportamentos, para quem o mundo deve ser captado em preto e branco. Usou um batom mais "cheguei", compôs um look pegando peças do setor do sexo oposto ou adotou um estilo mais andrógino? Ah, você entrou no campo de visão deles e não sairá até que eles te percam de vista durante o percurso. Vale até virar o pescoço e se inclinar no processo (chega a ser engraçado de tão ridículo, haha 😂), o importante é não te perder de vista tanto quanto for possível!

Sabem o Agente Smith, da trilogia "Matrix"? Acho que a metáfora pode se encaixar bem: quem se atreve a ser diferente dentro do sistema, começa a ser "perseguido"; essa intimidação silenciosa tem o intuito de eliminar a anomalia, desencorajando a tal "audácia" para que o indivíduo volte a pertencer ao padrão, ao status quo. Pirei? Li muita distopia? Pode até ser, mas esses agentes censores são bem reais: é o seu vizinho de porta, o zelador do prédio, a dona da banca de revista, a senhora no ponto de ônibus, um online buddy do Facebook, o cara aleatório por quem se cruza caminhos na calçada...

Gente, eu só cortei o cabelo curtinho, passei umas máquinas lá nos cocoroco de trás (recomendo incluir no pacote quando inventar de cortar o cabelo curtinho, dá um soniiiiinho de tão gostoso), uso duas camisetas masculinas que a-m-o e umas botinas de amarrar. Quero ver quando finalmente conseguir tatuar os braços... 😩 Mentira, não quero ver não. Mas, com as graças da força de vontade em economizar, uma hora vai acontecer.

No Japão, se garotas e mulheres cortam o cabelo curto de uma hora para a outra, a primeira coisa que pensam é que ela superou ou está superando um coração partido. No Brasil, divagam se você seria lésbica ou, quem sabe, um homem transexual. E se fosse, qual é o problema? O que isso te diz respeito? Por que essa cara feia para mim? Certa vez, ouvi uma fala numa novela de que "não se confia em mulheres de cabelo curto". Passaram-se anos e essa fala ficou ainda gravada na minha memória... Que estigma mais idiota.

Então, vamos ao exercício de empatia: como é o cotidiano das pessoas que são oito mil vezes mais estilosas, irreverentes e, por quaisquer outros fatores, "fora-da-caixinha" do que eu? Tenho certeza de que a maioria deve falar que não liga, mas imagino que seja difícil "fazer a egípcia" for real quando a intimidação, ainda que silenciosa, é uma experiência diária. Tipo, "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura" não é um ditado popular à toa, né? Dói, machuca ou, no mínimo, alguma camada do seu consciente vai levar em consideração, processar e remoer tudo isso.

Pensando assim, eu devo ocupar só a pontinha marota do iceberg. De fato, talvez não seja o prato favorito dos mantenedores do status quo de plantão, mas também vivencio a reprovação social, ainda que em menor grau. Sendo assim, acredito que me manter firme e consciente sobre o que quero para a minha imagem, assim como não abaixar a cabeça e voltar à caixinha já seja um ato político, uma pequenina contribuição para uma maior aceitação da pluralidade de estilos, cores, formas e expressões como o novo "normal".

Sem drama, esse não é apenas um cabelo curtíssimo, essa não é apenas uma roupa de outra arara, essa não é apenas uma figura andrógina: é parte do meu papel na sociedade.

22.1.18

Seja quem você quiser

Dezembro chegou e serei obrigada a jogar aquela exclamação redundante: mas já?! - Pois é. Não sei se você sentiu o mesmo, mas o primeiro semestre foi bem vagaroso para mim; do segundo para frente, contudo, parece que o tempo engatou a marcha e passou voando. 💨

Bom, balancete de final de ano fica para outro post; trazemos hoje o último BLCD Checklist de 2017 e uma infeliz notícia: não pretendo continuar com as listas no ano que vem. 😞 Sempre foi muito bacana receber um comentário novo ou conhecer pessoas interessadas em yaoi que chegaram ao blog por conta desses posts, mas chega um momento em que as coisas nos desgastam e a gente precisa abrir mão delas para seguir em frente.

Ah, mas isso não quer dizer que não vai ter Boys Love mais nesse bloguito, hein? Agora, eu pretendo investir pesado nas resenhas de BLCDs - e acredite, tem bastante títulos que quero resenhar a respeito. Aguarde e confie, ô da poltrona! 😉 Sem mais delongas, vamos ao último e derradeiro Checklist de dezembro!


Destaque do Mês


Arimura Ikuo (CV: Okitsu Kazuyuki) é um típico salaryman que, preocupado com o desempenho de sua irmã mais nova para passar nos exames e entrar na faculdade, resolve ir atrás de um tutor para reforçar seus estudos. Contando com os contatos antigos do colegial, acabou sendo apresentado para o estudante universitário Itou Yousuke (CV: Furukawa Makoto), aparentemente seu junior no clube de beisebol, embora não se lembre desse fato.

Apesar do tratamento frio que recebeu de Itou no primeiro encontro, Arimura logo percebe que o rapaz não apenas o admirava muito, como também nutria sentimentos por ele. Aos poucos, o salaryman começou a se sentir atraído por cada reação fofa que seu junior tinha, até o momento em que lhe pede em namoro.

Com mais dúvidas do que certezas nesse novo relacionamento e agendas ocupadas para poderem se encontrar, Arimura é tomado por muita ansiedade. Sentindo essa anormal insegurança, Itou decide terminar com Arimura, afirmando que seu veterano apenas propôs o namoro influenciado pelos seus sentimentos, porque não o amava de verdade. Arimura queria negar isso na hora e corresponder ao coração já ferido de Itou, mas, em vez disso, acaba por se perguntar se era mesmo esse seu "amor" que seu junior realmente queria...


Referências


Seme | Arimura Ikuo (CV: Okitsu Kazuyuki)
Saku Hagita (Orange), Hisui Nagare (K: Return of Kings), Masaomi (Brothers Conflict);

Uke | Itou Yousuke (CV: Furukawa Makoto)
Suwa Hiroto (Orange), Saitama (One Punch Man), Tada Banri (Golden Time).

Confira também


5.12.17

BLCD Checklist: Dezembro, 2017

@subindonolustre no Instagram

© Subindo no Lustre. Design by Fearne.